Power Soccer

O Power Soccer é uma modalidade paradesportiva, também chamada Powerchair Football, um futebol para cadeirantes que usam cadeiras motorizadas. Os participantes diretos do projeto são as pessoas com deficiências severas (tetraplegia, paralisia cerebral, distrofia muscular etc.), de qualquer etnia, gênero, condição sócio-econômica, faixa etária ou nível de escolaridade. Já é praticado na América do Norte, Europa, Ásia e Oceania, sendo praticado oficialmente em 15 países.
Este desporto surgiu na Europa no final da década de setenta, iniciada pela França e logo a modalidade teve seguidores em vários paises. Em 2006 foi criada a Federação Internacional de Futebol em Cadeira de Rodas – FIPFA (www.fipfa.org) em 2007 foi organizada a 1ª. Copa do Mundo em Tóquio, Japão, quando participaram oito paises.
Na América do Sul o pioneirismo na modalidade é do Brasil, administrada pela ABFC – Associação Brasileira de Futebol em Cadeira de Rodas, criada com a finalidade de fomentar a modalidade no Brasil e promover a inclusão da pessoa com deficiência severa, que até então não era contemplada em outras categorias paradesportivas – diferencial da modalidade.

No cenário paraolímpico mundial o Power Soccer está prestes a se tornar uma modalidade IPC – International Paraolimpic Comitee (http://www.paralympic.org/index.html ), ou seja, em breve será uma modalidade presente nas paraolimpíadas.

Em junho de 2011, após a delegação da ABFC participar em Atlanta – EUA da Premier Conference Cup, Ricardo Gonzalez Rocha Souza, presidente da ABFC,foi convidado pela FIPFA para tornar-se o maior representante da Zona das Américas (SUL, Norte e Central) para o esporte.

Entre 02 e 06 de Novembro de 2011 ocorreu em Paris a 2ª Copa do Mundo (1ª foi no Japão em 2007) e a ABFC foi convidada para representar a delegação brasileira. Nesse cenário, a formação de Clubes se reveste da maior importância e objetivo primordial da ABFC e da FIPFA no Brasil e América do Sul. O CLUBE NOVO SER DE POWER SOCCER é o primeiro afiliado e a praticar regularmente a modalidade. A técnica do CLUBE – Rosana Castor – acompanhou a delegação participando como observadora a fim de adquirir conhecimento técnico e prático in loco e consequentemente aprimorar o desenvolvimento da modalidade.